pequenogrupo

PG - Pegueno Grupo

Dia 23 - FAMILIAS IRRESISTÍVEIS SAO DIFERENTES

Dia 23 - FAMILIAS IRRESISTÍVEIS SAO DIFERENTES"Tu, porém, quando jejuares, unge a tua cabeça, e lava o teu rosto, para não pareceres aos homens que jejuas, mas a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente" (Mt 6.17-18)Agora, dando prosseguimento ao seu sermão, Jesus ensina sobre o jejum, que é um tema bíblico. Infelizmente, este tema não está presente na prática de muitos cristãos, por vários motivos.Mais uma vez, em sua fala, o Mestre parte do princípio de que seus discípulos jejuavam. O que Jesus ensinou, verdadeiramente, é que seus seguidores deveriam estar atentos a algumas atitudes importantes para a prática do jejum.Alguns pontos precisam ser destacados.O primeiro deles é que o jejum fez parte da vida de muitos servos de Deus, tanto no Antigo como no Novo Testamento.O segundo ponto importante é que o jejum, que não se trata de uma dieta, está ligado, acima de tudo, a renúncia e a autodisciplina. Jesus, com a prática do jejum, não tinha em mente emagrecer seus discípulos, mas desenvolver neles a renúncia, o valor da abstinência, da autodisciplina.O jejum, citando John Stott, sendo uma abstinência voluntária de alimento, é uma forma de aumentar nosso autocontrole.O jejum é valorizado, não para fazer propaganda da nossa espiritualidade, para obter reputação perante os demais cristãos, mas para desenvolver a humildade, para treinar a autodisciplina, exercitar a piedade cristã, pois quando jejuamos podemos sentir na própria carne o que significa ter fome, como muitos estão ao nosso redor, que não têm o que comer.Uma outra vertente deste tema, o jejum, é canalizá-lo não somente para os alimentos, mas em direção a atividades que nos intoxicam, como, por exemplo, a internet, televisão, redes sociais (como o Facebook, WhatsApp) e tantas outras que tiram nosso foco de Deus.Importante destacar que muitos discípulos de Jesus hoje não devem jejuar, devido a enfermidades, idade avançada e outros fatores que podem comprometer a saúde.Sejam quais forem as nossas razões, Jesus assumiu que o jejum teria lugar na vida crista.Concluindo, citando mais uma vez John Stott, orar é buscar a Deus dar é servir aos outros, jejuar é disciplinar-seORAÇÃO DO DIA - "Senhor, quero viver uma vida de renúncia, de autodisciplina. Que os teus ensinamentos, incluindo o jejum, sejam valorizados em minha vida e de minha família"

Publicado por Igreja Batista Lindóia em Quinta-feira, 31 de maio de 2018

Dia 23 – FAMILIAS IRRESISTÍVEIS SAO DIFERENTES

“Tu, porém, quando jejuares, unge a tua cabeça, e lava o teu rosto, para não pareceres aos homens que jejuas, mas a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente” (Mt 6.17-18)

Agora, dando prosseguimento ao seu sermão, Jesus ensina sobre o jejum, que é um tema bíblico. Infelizmente, este tema não está presente na prática de muitos cristãos, por vários motivos.
Mais uma vez, em sua fala, o Mestre parte do princípio de que seus discípulos jejuavam. O que Jesus ensinou, verdadeiramente, é que seus seguidores deveriam estar atentos a algumas atitudes importantes para a prática do jejum.
Alguns pontos precisam ser destacados.
O primeiro deles é que o jejum fez parte da vida de muitos servos de Deus, tanto no Antigo como no Novo Testamento.
O segundo ponto importante é que o jejum, que não se trata de uma dieta, está ligado, acima de tudo, a renúncia e a autodisciplina. Jesus, com a prática do jejum, não tinha em mente emagrecer seus discípulos, mas desenvolver neles a renúncia, o valor da abstinência, da autodisciplina.
O jejum, citando John Stott, sendo uma abstinência voluntária de alimento, é uma forma de aumentar nosso autocontrole.
O jejum é valorizado, não para fazer propaganda da nossa espiritualidade, para obter reputação perante os demais cristãos, mas para desenvolver a humildade, para treinar a autodisciplina, exercitar a piedade cristã, pois quando jejuamos podemos sentir na própria carne o que significa ter fome, como muitos estão ao nosso redor, que não têm o que comer.
Uma outra vertente deste tema, o jejum, é canalizá-lo não somente para os alimentos, mas em direção a atividades que nos intoxicam, como, por exemplo, a internet, televisão, redes sociais (como o Facebook, WhatsApp) e tantas outras que tiram nosso foco de Deus.
Importante destacar que muitos discípulos de Jesus hoje não devem jejuar, devido a enfermidades, idade avançada e outros fatores que podem comprometer a saúde.
Sejam quais forem as nossas razões, Jesus assumiu que o jejum teria lugar na vida crista.
Concluindo, citando mais uma vez John Stott, orar é buscar a Deus dar é servir aos outros, jejuar é disciplinar-se

ORAÇÃO DO DIA – “Senhor, quero viver uma vida de renúncia, de autodisciplina. Que os teus ensinamentos, incluindo o jejum, sejam valorizados em minha vida e de minha família”